Páginas

sábado, 22 de julho de 2017

Poema para Hilda


Poema para Hilda

Havia uma poeta que carregava 
estrelas nas mãos cortadas

Carregava o estandarte do amor 
Em uma altura tão vasta
Foi rosa, foi floresta em vida

Cantou e o mundo se fez
 universo - e a cativou

Escreveu e Deus chorou
Foi oceano de cores

Assim foi a vontade da poesia
Fazer com que Hilda Amavisse
as coisas de formas outras

E as coisas, com carinho 
responderam
Se dissolveram em amor
a e a eternidade a acolheu

Palavras passarinharam
Em suas mãos
Vida e morte foram pouco

Decifrou os homens 
Acolheu as dores no coração

O que restou, o tempo 
Transformou em obra
Uma flor que mora na casa do sol.

Bruno Borin

quinta-feira, 20 de julho de 2017

À Marquesa


À Marquesa de Alorna (1750-1839)

Quanta dor e delicadeza adorna
A vidinha da Marquesa de Alorna?
Viu perecer condenada a família; 
A infância foi de pesar e vigília;

Produziu na fantasia sua salvação:
"Quando sonhou, foi ditosa,
Dizia: Sem o ser em realidade"
Em sua dor, via-se horrorosa!

Amor não acalmava-lhe o coração.
Alcançava sua individualidade
Quando lia ou dormia, na ideação.
Escrevia a mágoa com credulidade!

Passou metade da vida enclausurada
No convento, floresceu bela na poesia
Tão forte quanto do inimigo jurada;
O vigiar de Pombal, ódio lhe incutia!

Quantas mulheres, em infortúnios 
Lançadas, por nascerem malogradas?
Embora, suas luzes tão bem apagadas
Ainda esperam paz num novilúnio!

Mal sabia a Marquesa, brilhava
Mais que qualquer saudoso luar,
Com o coração dolente, cantava
E fez das palavras a arte de amar!

Bruno Borin

domingo, 25 de junho de 2017

Impugnação


                                  À Bocage

Não logrei cantar meu amor 
Tão bem quanto os trovadores,
Já a saudade, quando flor
Cantei-a tão bem em ardores;

Não glosei da vida, o mote
Mas bebi do cálice servido,
A cantiga seguiu sem nome
Na alvura dos dias vividos,

Não logrei viver a mocidade
Como os velhos cancioneiros.
Eles construíam vastas cidades
Em seus finos romanceiros:

Vicejaram os frutos vindouros
O Vate ganhou o amor professado,
Os ais não foram mais de agouros;
Contudo o medo não foi translado!

Não rebentaram os versos d'amor!
De que vale roubar de Camões 
A Aurora a despontar das monções,
da carcaça do gigante Adamastor;

Se dos altares dos afetos, registro
Não possuir; e em nobres acordes
A cítara não sucumbir ao estro
Dos mais bonitos e reais recortes?

Já que em livro Celeste, meu nome
Tenho proscrito, caberia em versos;
Em mote e glosa, mesmo sem renome,
Ter dedilhado meus dias dispersos...

Bruno Borin

terça-feira, 18 de abril de 2017

Criação


Preciosos são os tesouros
Dos frutos do pensamento;
Esse tear cheio de agouros
Que se constrói de remendos.

E dos longes lares hiperbóreos
Ou dos mais ínferos abismos
Se compõe. Em licores áureos
Ou ressacas de erros e achismos.

Seu boulevard; a estranha e vil
Memória, o prende em corredores
De ilusões e escadas de temores;

Suas vestes são: a luz da virtude 
Ou as sombras fartas de dúvidas;
E quem o abriga é a infinita solitude.

Bruno Borin

sábado, 8 de abril de 2017

O segredo de safo


Opaco olhar, corpo ansioso,
Renegada poeta dos filósofos,
Um crepúsculo bem langoroso
Esquecido dos países lusófonos.

Não perdoada pelos gregos,
Constelada mulher, ilhada,
Da escola, recordava chamegos
Dos homens, cresceu isolada!

Helena de Troia, se conhecido
Houvesse, ao encanto renderia;
Priapo lançava sua seta enternecido:

A paixão oculta, os versos revela,
O coração sempre alegre, sorria
Às moças, ao mar... coisas dela...

Bruno Borin

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Crepúsculo


Na poesia eu sabia fazer tantas coisas
Afinar chuvas, amolar o tempo 
Despudorar os olhares e até voar sem asa;
Trocar os inícios pelos fins
E principalmente mexer, 
fazer diabruras com os significados todos...

Mas diante de ti, de tuas mãos quentes
Que tocam meu avesso, nada sei,
Nada possuo dos feitiços da linguagem;
O toque é mestre de um reino sempre novo,
A chuva é sempre saudade do corpo que me visita.

Desaprendi a dizer adeus a um sol que não me recebia
O espero toda vez que vê-lo significa não ser só 
Enquanto a lua, esta se tornou vitalícia;
Sinal de romance e fruto de um sonho vivido;
As luzes da noite se tonaram páginas de um amanhã contigo...

Sem saber que sei, te habito na presença do beijo
Sabendo que sei, te habito no coágulo das horas
Em que espero ser presença de novo 
Para, no endereço de seus gestos, ser vivo e livre

Como a lágrima que cai do rosto de quem ama,
Como um crepúsculo que aguarda toda a tarde para
simplesmente acontecer.

Bruno Borin
Foto: Juliana Sammarco

Sobre florir


pensar é como semear flores
uma ideia precisa do solo do espírito
o adubo da criatividade à gosto

regar com carinho o estro
como se rema um barco sonhado
ao seu cais ideal, cheio de marinheiros
aptos a cuidar da frágil mercadoria

pensar é como navegar pelo tempo
sentir as ondas contra os remos
pensando na chegada à uma terra
jamais vivida - ideias praticadas 
são coisas jamais vividas

ao seu germinar incerto
colhemos os verdes versos
o começo do poema da vida
- estes sofrerão a ação do sol
e das palavras alheias

sim, ideias não são palavras
são o começo de seus novos signos
o brotamento é demorado 
mas quando alçam a maturidade

podem ser belas flores
ou frondosas árvores;
céus abertos, bem azuis
como os cabelos que tive...

são a marca do sempre
na nossa vida

são a marca da nossa vida
num sempre que não é nosso.

Bruno Borin

We make the sky envy, baby



Eu, filho do carbono e do amoníaco 
Era tão tristíssimo 
Escrevi em meu desatino 
Um novo destino
Banhado de um azul que encontrei
Na pessoa que mais na vida amei
Os signos do zodíaco que se fodam
Ao pintar meu cabelo, virei dono
Do céu, virei navegador de todos os mares
Do seu amado ser, do meu amado sonhar
Sonhei, sonho e sonharei
A epígrafe do seu ser
Desenhando à caneta 
Constelações em mim
Jogos de jasmim 
I want you so much darling
Nos livramentos de meus traumas
Liberté, igualité, vinho e cerveja já é! 
I love you I love you I love you 
Com a minha vida, velha oferenda 
Com meu ser, alma de poeta
Diante de das estrelas e longe do sol
No verde corrupto desse Brasil, eu amo
No céu do meu delírio, Quetzal espera
E voamos juntos
Pro além da concha e cavalo marinho
Para o azul em ti agora e sempre!

Bruno Borin