Páginas

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Border Village Dali


No piso de rocha os passos impressos 
Sob o entoar mais solene que o homem jamais produziu
Marcaram tantos corações com sentimentos inconfessos;
Nada iguala ao valor purpurado da nostalgia que me pungiu!

Num momento ínfimo, apenas por mera passagem
Talvez nem houve tempo de se descobrir que a única árvore
Estava dando frutos, nem de também se perguntar se era de mármore
A pedraria que compunha as poucas casinhas da paisagem.

Mas nem o som dos Chocobos encobriu os sujos mistérios 
Que a vilinha muito bem disfarçava, até a facinação pelo moinho
Os levar a descobrir que estes tais segredos eram muito mais sérios,

Entremeando assim, aquela pequena vila no tear delicado
Da trama, à medida em que eu adensava na continuidade 
Daquelas lutas e fugas sem destino marcado;

Para nunca mais retornar para aquela melodia
Nunca mais ver aquele poço, aquele laguinho 
E percorrer aquelas rústicas portas, como uma galeria... 

By: Bruno

*Leia com a música!

Nenhum comentário:

Postar um comentário