Páginas

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Hino à poesia ou À vida dos bardos!


No borralhado lume dos estros
Das delicadezas ermas e silentes,
Pendem os frutos mais modestos;
Imersos em subtil mas fulgente 

Acorde, a farfalhar estrelado,
Nos corações mais conflitantes;
- Restos de magias obnubilantes
A laurear a vida tão nublada!

Postergando o inevitável naufrágio
Na urdidura de muitas fluidas cores,
Pulsam os temas do anseio mais frágil;
A inefável pira quer consumir as dores:

Soluçados versos, lacrimais estrofes,
De repente, o coração livre e leve
O espírito se torna, e épicas as odes
Surgem, a bradar o júbilo solene!

Trazer ao peito, as estranhas harpas
D'outrora; despertar melodias d'aurora;
Reparar na treva as luzes mais claras,
Faz do fardo, as cenas vivas do agora!

Bruno Borin

Nenhum comentário:

Postar um comentário